conecte-se conosco


Economia

Curitiba e Viracopos são os aeroportos mais bem avaliados no país

Publicado

Os aeroportos de Curitiba e de Viracopos, em Campinas (SP), aparecem na frente na Pesquisa de Satisfação de Passageiros que avalia os 20 principais aeroportos brasileiros, responsáveis pela movimentação de cerca de 87% de todos os passageiros transportados no país. Os dois terminais invertem resultado da pesquisa anterior, quando o aeroporto do interior de São Paulo ficou em primeiro lugar.

Logo atrás dos dois terminais, aparecem os aeroportos de Confins (MG), Natal (RN) e Santos Dumont (RJ). O aeroporto de Salvador apareceu com a menor avaliação entre todos os pesquisados.

Curitiba - Aeroporto Afonso Pena (Divulgação/Portal da Copa)

O Aeroporto Afonso Pena ultrapassou o terminal de Viracopos entre os mais bem avaliados do país. Divulgação/Portal da Copa

Os números foram divulgados hoje (30) pela Secretaria Nacional de Aviação Civil, vinculada ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil. A pesquisa, referente ao quarto trimestre de 2017, avaliou a satisfação dos passageiros em 38 quesitos, tais como atendimento, infraestrutura, serviços, acesso, entre outros. Os entrevistados atribuem notas de 1 a 5 a cada um dos quesitos.

Os números são divulgados trimestralmente pela pasta. Até o 3º trimestre de 2017, a pesquisa abrangia 15 terminais, mas, a partir do 4º trimestre, foram incluídos mais cinco aeroportos: Maceió (AL), Goiânia (GO), Vitória (ES), Belém (PA) e Florianópolis (SC). De acordo com a secretaria, a média de satisfação geral dos dois últimos meses de 2017 desses aeroportos foi 3,99.

Ainda de acordo com o órgão, na avaliação referente aos 15 aeroportos, 91% dos entrevistados classificou os terminais como “bons”, o equivalente a nota 4, ou “muito bons”, nota 5.

O terminal de Curitiba, primeiro na avaliação, obteve nota 4,77. Viracopos aparece com 4,76; Confins e Natal vêm empatados com 4,48. Já o Santos Dumont obteve nota 4,43. O aeroporto de Salvador (Luís Eduardo Magalhães), teve avaliação de 3,91.

Veja Também  Marcelo Ramos lamenta pedido de demissão de Joaquim Levy: “Perde o Brasil”

Pontos fortes e fracos

De acordo com o secretário nacional de Aviação Civil, Dario Lopes, entre os pontos críticos apontados pelos entrevistados estão o custo-benefício da alimentação, o comércio de forma geral e o acesso aos terminais por meio de transporte público.

“O transporte público é complicado de fazer, uma vez que não é uma responsabilidade direta do gestor aeroportuário, mas gerido pela prefeitura ou pela região metropolitana”, disse. “O que temos feito a este respeito é tentar melhorar o serviço, a exemplo do acordo de operação conjunta entre o táxi convencional e os serviços de aplicativos no aeroporto de Guarulhos”, disse.

De outro lado, entre os fatores que mais contribuem para a avaliação positiva, o secretário destacou o conforto térmico, com a existência de refrigeração adequada; o conforto acústico, e o acesso à internet. “Um dos fatores que têm pesado é conforto térmico, acústico e acesso a internet. Se o aeroporto continua com poltronas boas, tem internet em todo lugar, tem tomada… Qualquer aeroporto que tenha algum problema com um desses itens, a queda na avaliação geral é visível”, disse.

Curitiba e Campinas

Lopes disse que a avaliação dos aeroportos de Curitiba e Viracopos pode estar relacionada com a cooperação dos gestores dos terminais com os órgãos públicos. “Talvez seja uma questão de cultura local, da forma como as pessoas se relacionam. Isso cria sinergias”, disse.

O Caso de Viracopos é atípico. A concessionária que administra o terminal, a Aeroportos Brasil Viracopos (ABV) decidiu, em julho do ano passado, devolver a concessão por conta das dificuldades financeiras e da frustração da demanda do fluxo de passageiros e de cargas.

Veja Também  Governo estuda reduzir impostos de importação sobre computadores e celulares

De acordo com o governo, uma nova licitação será realizada. A expectativa é que ela ocorra ainda nesse primeiro semestre. Até lá, a concessionária continuará administrando o aeroporto e só vai sair depois que o novo consórcio pegar a concessão.

Salvador

No caso de Salvador, Lopes disse que o aeroporto baiano tem apresentado historicamente, os maiores índices de dificuldades. “Ele tem um problema crônico de conforto térmico, o sistema de ar condicionado não tem dimensão suficiente para garantir o conforto térmico dos clientes”, disse. “Há problemas de disponibilidade de tomadas, de poltronas na sala de embarque.

Lopes informou que a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) investiu no aeroporto no segundo semestre de 2017 para resolver boa parte dos problemas. Desde o início de janeiro, o aeroporto passou a ser administrado pela Vinci Airports. A empresa tem até outubro de 2019 para finalizar a primeira parte das exigências contratuais.

A concessionária ficará com o terminal pelos próximos 30 anos. A previsão é que os investimentos comecem em junho. Dentre as ações iniciais previstas para a concessionária, a nova gestora do equipamento, estão previstos para ocorrer a partir de junho deste ano. A empresa tem até outubro de 2019 para iniciar a primeira parte das reformas estruturais.

Dentre elas, está a ampliação da capacidade do terminal de passageiros, do pátio de aeronaves e das vagas de estacionamento. “A expectativa é que agora, com a concessionária entrando, tenha uma injeção de recursos maior e isso vai fazer – não num primeiro instante – mas isso vai melhorar e, em um ano, Salvador vai estar no mesmo nível dos demais”, disse.

*Colaborou Heloísa Cristaldo


Comentários Facebook

Economia

Governo deve fazer concessões a políticos na reforma da Previdência

Publicado

relator da previdência
Antonio Cruz/Agência Brasil
O relator da Previdência, Samuel Moreira (PSDB), estuda acabar com o Plano de Seguridade Social dos Congressistas

O relator da reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira (PSDB), estuda acabar com o sistema de Previdência dos deputados e senadores (Plano de Seguridade Social dos Congressistas) e permitir a devolução dos valores contribuídos pelos políticos. Segundo a proposta, eles migrariam para o regime geral e, sendo assim, receberiam de volta o valor que excedesse o teto pago pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), hoje em R$ 5.839.

Leia também: Bolsonaro reconhece que Congresso vai alterar texto da reforma da Previdência

Outra possibilidade levantada por Moreira é tornar opcional a adesão à Previdência dos parlamentares, autorizando a permanência de quem quiser. Neste caso, porém, seria preciso cumprir a regra proposta na reforma, que exige idade mínima de 65 anos (homem) e 62 anos (mulher), com pedágio de 30% sobre o tempo de contribuição que falta para a aposentadoria (35 anos para eles e 30 anos para elas).

As alternativas têm o aval da equipe econômica do governo e estão sendo avaliadas porque as regras para aposentadoria de deputados e senadores previstas na reforma acabaram ficando mais duras do que as dos demais trabalhadores, que ganharam uma transição mais suave: idade mínima de 60 anos (homem) e 57 anos (mulher), com pedágio de 100% sobre o tempo que falta.

Segundo interlocutores, o impacto da  medida na economia projetada com a reforma é residual. O relatório de Moreira, que está em discussão na comissão especial da Câmara dos Deputados , prevê um ganho fiscal de R$ 913,4 bilhões em dez anos. O relator deverá incorporar em seu parecer as mudanças no regime dos parlamentares já na próxima semana, para quando é aguardado o início da votação do texto.

Veja Também  Ações da Taurus operam em queda após Senado derrubar decreto de armas

Para o líder do DEM, deputado Elmar Nascimento, uma eventual flexibilização na regra de transição dos políticos seria prejudicial à aceitação da reforma da Previdência . “O desgaste não compensa”, disse. A melhor solução, segundo Nascimento, seria extinguir o regime atual ou torná-lo opcional, não afetando quem já está aposentado.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Corpus Christi: bancos fecham hoje, mas reabrem amanhã

Publicado

fila do banco
Rovena Rosa/Agência Brasil
Neste feriado, clientes poderão usar canais alternativos para pagar contas e fazer saques, depósitos e transferências

Os bancos não funcionam nesta quinta-feira (20), ponto facultativo em razão do dia de Corpus Christi. O atendimento bancário volta ao normal na sexta-feira (21), com agências abertas ao público das 11h às 16h.

Leia também: Você sabe o que é o Corpus Christi? Conheça a origem dessa tradição católica

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que os clientes poderão usar canais alternativos para pagar contas e fazer saques, depósitos e transferências, como caixas eletrônicos e atendimento por telefone e internet.

As contas que vencem hoje poderão ser pagas, sem multa, na sexta-feira, próximo dia útil.

Segundo o diretor adjunto de Operações, Walter Tadeu de Faria, a população não ficará sem serviços bancários. “Caixas eletrônicos vão funcionar normalmente, para o fácil acesso do consumidor ”, comentou.

Fonte: IG Economia
Comentários Facebook
Veja Também  Bolsonaro ainda não decidiu sobre mudança nos Correios, diz porta-voz
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana