conecte-se conosco


Entretenimento

Disco com Criolo e Ney Matogrosso reverencia obra de Adoniran Barbosa

Publicado

Entretenimento

O samba de Adoniran Barbosa marcou a história da música no Brasil. Não é à toa, portanto, que no final de novembro deste ano, a obra do cantor passou a ser considerada patrimônio cultural de São Paulo. Com um linguajar coloquial e familiarizado com o cotidiano das ruas, o sambista do interior do estado conquistou ouvintes no país inteiro com clássicos como Trem das Onze, Samba do Arnesto e Saudosa Maloca.

Kiko Zambianchi e sua filha são um dos artistas que interpretam as inéditas de Adoniran Barbosa
Divulgação

Kiko Zambianchi e sua filha são um dos artistas que interpretam as inéditas de Adoniran Barbosa


Leia mais: Maria Fernanda Cândido encena Adoniran Barbosa em São Paulo

Além disso, o ano de 2016 foi mais um marco póstumo de Adorinan Barbosa. Depois de 34 anos de sua morte, Cassio Pardini, produtor de cinema e sócio da Latina Estudio, encontrou partituras inéditas nunca antes musicadas de Adoniran Barbosa. A partir daí o produtor musical Lucas Mayer deu vida aos escritos em um novo disco que traz nomes do cenário da música brasileira atual como Liniker, Criolo e artistas consagrados como Ney Matogrosso e Kiko Zambianchi para interpretar as canções. Intitulado como “Se assoprar, Posso acender de novo“, em referência à uma música do cantor, o álbum foi lançado este ano em meio às comemorações de 100 anos do samba.

Com exclusividade para o Portal iG, o produtor Lucas Mayer comentou faixa a faixa as composições do novo disco. Confira:

Leia mais: No Dia Nacional do Samba, relembre sete músicas que marcaram as telenovelas

1. O Rostinho de Maria (Adoniran Barbosa e Pepe Avila)

Fernanda Takai & Leo Cavalcanti

Samba leve com um arranjo de vocais dos dois intérpretes, que se intercalam com clarinetes e trombones. A Fernanda Takai optou por cantar com o Leo Cavalcanti, pois sempre tiveram vontade de fazer um som juntos. Contamos com a participação do Seu Cléusio, cavaquista do grupo Talismã, último conjunto que acompanhou o Adoniran Barbosa no final de sua carreira.

 2. Ninguém Pode Negar (Adoniran Barbosa e Portinho)

Eduardo Pitta

O Eduardo Pitta é meu conterrâneo de Porto Alegre. Optei por convidá-lo por ele ser um expert em Samba e ter uma forma de interpretação única. Ele cantou com um microfone chamado Copperphone, que traz um timbre meio de rádio antigo. É um samba leve, com algumas frases de choro e com uma surpresa orquestral no meio, onde homenageamos Adoniran e sua forma de compor assoviando pelas ruas da capital.

 3. Só Vivo de Noite (Adoniran Barbosa e Paulinho Nogueira)

Ana Julia e Kiko Zambianchi

A filha do Kiko Zambianchi, Ana Julia, sempre foi fanática pelo Adoniran Barbosa. Quando convidei ela e seu pai, lembrei dos clássicos de Adoniran com a Elis Regina. Acho que essa música é um pouco isso, apesar de ter arranjos vocais mais modernos e trabalhados, enxergo muito esses dois personagens em uma mesa de bar para algum programa da extinta TV Tupi.

Leia mais: Homenageada em 2017, Ivete Sangalo solta a voz em samba enredo da “Grande Rio”

 4. O Sol e a Lua (Adoniran Barbosa e Zaé Júnior)

Diogo Poças

Seguindo a ideia da música anterior, originalmente convidei a Céu e o Diogo Poças para duetar nessa música. A Céu não pode por estar em turnê fora do Brasil, então joguei tudo no colo do Diogo, meu amigo de longa data. Ele matou no peito e disse: quero um samba canção! Então eis aí! Um arranjo apenas com Violão de 7 cordas (Gabriel Selvage) e Trombone (Diego Calderoni), que se desenvolve nos primeiros segundos com uma textura de rádio antigo até crescer lá pelos 40 segundos com uma frase linda do Calderoni. Posso dizer que gravando o Diogo Poças, logo após a conclusão do trombone, escutei claramente um Chet Baker abrasileirado cantando: Never More. É de arrepiar.

Veja Também  Internacional! Gloria Groove e  Iggy Azalea se unem em remix de 'Brazil'

5. O Barzinho (Adoniran Barbosa e Renato Luiz)

Liniker

O Liniker disse que quando ouviu essa música pela primeira vez se identificou muito. Pois a paixão pela qual Adoniran Barbosa falava do Barzinho da TV Tupi, onde encontrava os amigos e artistas de televisão, e todo mundo se misturava numa boa, é a mesma paixão pela qual ele e seus amigos se referem aos bares da Praça Roosevelt. A voz dele pedia um soul e foi isso que fizemos. Nos metais temos Nahor Gomes e Ubaldo Versolato, do nipe de metais do Rei Roberto Carlos e ainda contamos com o Diego Calderoni novamente no trombone, somado às linhas de sax do Tato Cunha. Quem toca bateria é o Rapha Miranda, da banda rock Ego Kill Talent, na guitarra o Dilson Laguna (da banda do Simoninha) e no baixo acústico o Meno Del Picchia. Quer banda mais miscigenada que esta?

6. Naquele tempo (Adoniran Barbosa e Serafim Costa Almeida)

Versos que compomos na estrada

Versos que Compomos na Estrada é uma das bandas que considero mais bacanas dessa nova safra. Fiz um arranjo de trompas (instrumento razoavelmente inusitado, muito mais comum em orquestras do que em música popular), que somado ao violão, traz uma dramaticidade muito grande à poesia de Adoniran. Além de trompas temos o acordeom do Lulinha Alencar, costurando às vozes de Markus Thomas e Lívia Humaire.

Leia mais: Referência feminina no samba, Dona Ivone Lara recebe Ordem do Mérito Cultural

7. Passou (Adoniran Barbosa e Pepe Avila)

Ney Motogrosso

O Ney diminuiu muito a velocidade do que seria a música. Contamos além do arranjo de violão de 7 cordas do Gabriel Selvage, mais uma vez com o Lulinha Alencar no acordeom. Bruno Serroni tocou violoncelo e o Nicolas Krassik violino. O Nicolas é um violinista francês casado com uma cantora brasileira, ele é um dos grandes expoentes da inclusão das cordas ao som brasileiro. Já tocou com grandes artistas como Gilberto Gil, Mestrinho, entre outros.

8. Até Amanhã (Adoniran Barbosa e Wilma Camargo)

Criolo

O Criolo não demorou para escolher essa canção, talvez por tratar-se de uma crítica social. O arranjo é o mais pesado do disco, apesar de cair para o samba nas partes cantadas por ele. Temos um coro de lavadeiras somado à alfaias e synths eletrônicos. Optamos gravar sua voz também com um Copperphone e, somando essa sonoridade à maneira que ele canta, conseguimos sentir um clima da São Paulo do século passado.

Veja Também  "Só amor e gratidão", diz filho de Joelma sobre relação com a mãe e com Ximbinha

9. Procissão de Amor (Adoniran Barbosa e Maximino Parize)

Guri e Gero Camilo

Foi muito feliz a mistura das vozes do Guri (guitarrista do Otto) com a do ator, compositor e cantor Gero Camilo. Eles optaram por cantar um maracatu, com violões do Markus Thomas (Versos que Compomos na Estrada) e percussões do Kabe Pinheiro. Distribuímos microfones que iam desde o estúdio até a cozinha, passando por toda a casa durante a gravação, para simular uma procissão. No meio temos uma poesia do Pedro Gabriel, de “Eu me Chamo António”, um fenômeno da literatura de poesia, que também, como Adoniran, escreve suas poesias em guardanapos de papel. A poesia de Pedro foi declamada por Gero Camilo com um megafone, durante a procissão que criamos no meio da música.

Leia mais: Bailarinas do Faustão participam do novo clipe do Harmonia do Samba

10. Foi na Mosca (Adoniran Barbosa e Chico)

Simoninha e Fuzzy Sound System

Chamei para essa gravação a própria banda que acompanha o Simoninha. Queria realmente que ele se sentisse em casa. E foi isso que aconteceu, uma música com a cara dele e com a singeleza da poesia de Adoniran Barbosa. Também contamos aqui com o nipe de metais do Rei Roberto Carlos.

 11. Receita de Pizza (Adoniran Barbosa e Jorge Costa)

Maurício Pereira

O Mattoli (Clube do Balanço) que me apresentou e convidou o Maurício Pereira (Os Mulheres Negras) para o projeto. Segundo o Mattoli, o Maurício é o Adoniran moderno! E ele é realmente genial. Cantou de primeira a canção sem errar! Foi o arranjo mais fácil e rápido a ser produzido. Como na letra Adoniran se refere a um ambiente de cantina, optamos por fazer a gravação por lá: com um microfone binaural gravamos 10 pessoas em uma cantina do bairro. Além disso, o Nicolas Krassik e o Lulinha Alencar, adicionam a canção melodias bastante clássicas de música italiana.

12. Encalacrado (Adoniran Barbosa)

Marco Mattoli e Fabiana Cozza

Essa faixa seguimos o tema de casa e seguimos algumas regras clássicas do samba, tanto em arranjo (onde os músicos gravaram todos juntos), como em formato de refrãos e repetições de estrofes. A ideia é esta música ser “o samba” do álbum. Fabiana Cozza tem uma carreira muito forte nesse ramo musical e o Mattoli (Clube do Balanço) foi o expert que trouxe essência à canção.

13. O Mundo Vai Mal (Adoniran Barbosa e Antonio Rago)

Estevão Queiroga e Yassir Chediak

O Estevão Queiroga é um dos maiores cantores da Sony Gospel. Misturei ele com o Yassir Chediak, violeiro respeitado e apresentador do programa de TV “Brasil Caminhoneiro”. Somando o Mandolin do Wonder Bettin, da banda Naked Girls and Aeroplanes, a Sanfona do Lulinha Alencar e os pífanos do Tato Cunha, temos uma música de uma profundidade absurda.

14. Messias (Adoniran Barbosa e Copinha)

Lulinha Alencar, Gabriel Selvage e Nicolas Krassik

É uma música instrumental! Sim, Adoniran Barbosa compôs (com certeza assoviando) uma música instrumental com seu amigo Copinha em mil novecentos e sessenta e poucos. E não era um samba. E sim, uma valsa. Eis que unindo Lulinha Alencar, Nicolas Krassik e Gabriel Selvage, temos um gipsy jazz manuche totalmente gravado ao vivo!

Fonte: IG GENTE
Comentários Facebook

Entretenimento

Rainha Elizabeth II completa 95 anos em momento conturbado

Avatar

Publicado


source
Rainha Elizabeth II vestindo o luto por seu marido e consorte real, o príncipe Philip, velado no último final de semana
Getty Images

Rainha Elizabeth II vestindo o luto por seu marido e consorte real, o príncipe Philip, velado no último final de semana

A rainha Elizabeth completa 95 anos nesta quarta-feira, 21, quando são feitos 21 disparos de canhões em sua homenagem. Entretanto, a comemoração oficial só será realizada em junho, com um grande desfile. A tradição remonta ao século 17 e a razão é prática: o tempo costuma estar melhor em junho e, assim, mais expectadores podem ver a comitiva passar. Tradição e pragmatismo são dois eixos que regem o reinado de Elizabeth. E, neste momento ruim para comemorações, após o  velório do príncipe Philip e as polêmicas com Harry e Meghan , não seria diferente. O aniversário da rainha acontece em momento delicado, após a morte do marido consorte real e príncipe do Reino Unido, Philip Mountbatten, que foi velado no último de semana; além da polêmica (apelidada de Megxit) com o neto Harry e a mulher dele, Meghan, que se afastaram das atividades reais e deram uma entrevista, recentemente, à apresentadora Oprah, revelando que a família da rainha estava criticando a cor da pele do filho do casal . Definitivamente, é um mau momento para celebrações.

O portal Daily Mirror chegou a classificar a situação como a “pior crise da monarquia desde a abdicação de Edward VIII, tio de Elizabeth, em 1936. O The Guardian comparou com a morte de Lady Di, em 1997. Os anos difíceis não foram poucos, mas a rainha está acostumada a superar os problemas para manter a monarquia viva. Desta vez, os especialistas estão divididos: alguns acreditam que Elizabeth vá abdicar do trono após esses últimos fatos e também por sua elevada idade. Os boatos sobre isso já crescem há dois anos. “Estou convencido de que a rainha dará um passo atrás”, afirma Robert Jobson, colunista do London Evening Star, jornal tradicional inglês. Mesmo assim, a maioria ainda acredita que ela nunca vai abdicar do trono porque a monarquia não deve correr riscos. As pesquisas no Reino Unido apontam que apenas 20% dos britânicos se definem como republicanos, mas se o filho dela, o príncipe Charles, 72 (primeiro na linha sucessória), quem o povo condissera um elo fraco, herdar o trono, isso poderia indicar uma mudança nas pesquisas e tendências – segundo a revista XL Semanal, líder na Espanha.

Camila, Duqueza da Cornualha, Príncipe Charles, Elizabeth II, falecido príncipe Philip, príncipe William e Kate Middleton, Duquesa de Cambridge
Reprodução

Camila, Duqueza da Cornualha, Príncipe Charles, Elizabeth II, falecido príncipe Philip, príncipe William e Kate Middleton, Duquesa de Cambridge

A relação entre o príncipe Charles e sua mãe sempre distante e até ruim, mas isso melhorou um pouco nos últimos tempos. Em novembro de 2020, quando ele completou 72 anos, os dois riram abertamente em público juntos e, também por isso, a imprensa britânica passou a falar da possibilidade de abdicação. Dona do maior reinado da história, com 70 anos de duração, Elizabeth II subiu ao trono em 1952, com 25 anos da idade. Desde muito jovem, aprendeu a não se lamentar pelas obrigações e nem sair da linha. XL Semanal comenta, em matéria especial sobre o aniversário da rainha, que já ocorreram muitos escândalos envolvendo a família real e com consequência da saída de alguns membros, sejam eles de sangue azul ou não. Antes de Harry e Meghan , havia sido o príncipe Andrew, apontados por muitos como o filho favorito da rainha, após a imprensa comentar sobre sua amizade com Jeffrey Epstein, envolvido em um escândalo sexual. Tanto Harry quanto Andrew deram entrevistas televisivas bombásticas. E a reação da rainha foi a impavidez, se mantendo estável e firme.

Elizabeth II e Susan
Getty Images

Elizabeth II e Susan

Elizabeth tem sido firme por toda a sua vida. Sempre fiel à sua maneira de ser, a rainha teve 30 cachorros da mesma raça, corgi , todos descendentes da primeira, Susan, que recebeu de presente do pai quando completou 18 anos; usou a mesma marca de sapatos, comeu o mesmo cereal durante décadas e tomou o mesmo drink (dubonnet com gin) durante décadas. Uma das maiores marcas britânicas é a presença da rainha, que tem trabalhado em agendas anuais de, pelo menos, 200 aparições. Segundo depoimento da mulher do príncipe Andrew, Sofia, a rainha inclusive escolhe usar roupas coloridas para ajudar a conquistar a atenção dos súditos. “Precisa ter certeza de que as pessoas vão vê-la. Quando ela vai a algum lugar, sempre há multidões e as pessoas querem ver pelo menos um pedacinho do chapéu da rainha”, disse Sofia. Elizabeth tem 1,63 de altura. Muitos ingleses acreditam que a rainha pensa que, depois de todos os ocorridos, deve uma coroação ao seu filho, Charles, mesmo acreditando que o ideal seria um reinado curto, quase um parêntese, antes do reinado de William, filho de Charles e Lady Di e segundo na linha sucessória. William e Kate Middleton já representam o que muitos quiseram ver em Charles e Diana, um casal moderno e exemplar , capaz de garantir a continuidade e a sobrevivência da monarquia. Não por acaso foi William que se pronunciou para defender a honra da família real após a entrevista de Harry e Meghan para Oprah , quando comentaram questões de racismo na família.

Veja Também  Paula von Sperling rebate crítica de Adnet sobre aglomeração: "Hipocrisia"
Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Entretenimento

“BBB 21”: Caio Afiune é eliminado com 70% dos votos

Avatar

Publicado


source
Caio
Reprodução/Instagram

Caio


Caio Afiune deixou o “BBB 21” na noite desta terça-feira (20), com 70,22% dos votos. O fazendeiro estava no paredão com Fiuk e Gilberto Nogueira, que receberam, respectivamente, 27,99% e 1,79% dos votos. 

Na reta final do programa, Caio foi parar na berlinda após receber, junto com João, Juliette e Pocah, mais votos da casa. Viih Tube, a líder da semana, teve que desempatar e acabou mandando o fazendeiro ao paredão.

Para o discurso de eliminação, Tiago Leifert citou uma falta de comprometimento de Caio com o jogo. “A entrega tem que ser total o tempo inteiro, não dá pra jogar dizendo que: ‘Ah eu tenho minha vida lá fora’. Você tem que estar o tempo inteiro aí dentro”, disse o apresentador.

Você viu?

“Eu agradeço porque foi um sonho. Foi um capítulo do meu sonho, da minha vida, e eu vou voltar pro sonho principal da minha vida, que é a minha família”, respondeu Caio no papo ao vivo com Tiago, após sair da casa.

Veja Também  Rainha Elizabeth II completa 95 anos em momento conturbado


Caio já tinha se incrito para o “Big Brother Brasil” outras duas vezes. Aos 32 anos, casado com Waléria e pai de duas meninas, Alice e Manuella, o goiano é fazendeiro e tem uma plantação de milho e soja em Anápolis.

A menos de 15 dias da grande final, o “BBB 21” está em modo turbo. Até o próximo dia 4, o reality show, que conta agora com oito participantes, terá que ter definido o trio finalista.  Para isso, esta será uma “supersemana”, segundo Tiago Leifert já havia adiantado.


Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana