conecte-se conosco


Educação

Percentual de negros em universidades dobra, mas é inferior ao de brancos

Avatar

Publicado

O percentual de negros no nível superior deu um salto e quase dobrou entre 2005 e 2015.  Em 2005, um ano após a implementação de ações afirmativas, como as cotas, apenas 5,5% dos jovens pretos ou pardos na classificação do IBGE e em idade universitária frequentavam uma faculdade. Em 2015, 12,8% dos negros entre 18 e 24 anos chegaram ao nível superior, segundo pesquisa divulgada hoje (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

sala de aula

Aumenta o número de negros que conseguem chegar à universidade, mas percentual ainda é inferior ao de brancosArquivo/Agência Brasil

Comparado com os brancos, no entanto, o número equivale a menos da metade dos jovens brancos com a mesma oportunidade, que eram 26,5% em 2015 e 17,8% em 2005. Os dados foram constatados pela Síntese de Indicadores Sociais – Uma análise das condições de vida da população brasileira. A pesquisa também mostra que os anos de ensino influenciam no salário: quanto maior a escolaridade, maior o rendimento do trabalhador.

De acordo com o IBGE, a dificuldade de acesso dos estudantes negros ao diploma universitário reflete o atraso escolar, maior neste grupo do que no de alunos brancos. Na idade que deveriam estar na faculdade, 53,2% dos negros estão cursando nível fundamental ou médio, ante 29,1% dos brancos.

Na última década, o Brasil conseguiu aumentar o número de estudantes entre 15 e 17 anos no Ensino Médio de 81,6% para 85%. No entanto, o IBGE avalia que o crescimento foi tímido e destaca o impacto da “pedagogia da repetência” na evasão escolar entre os mais pobres.

Veja Também  Prazo para coordenador do Enade preencher questionário termina hoje

Estudos citados pelo IBGE apontam que a alta repetência ainda no ensino fundamental “vem prejudicando uma geração”, uma vez que jovens ficam desestimulados a estudar. “Os dados internacionais mostram que, em 2009, o Brasil era o país que tinha a maior taxa de repetência no [ensino] fundamental, comparado aos demais da América Latina e Caribe”, disse a especialista do IBGE responsável pelo tema, Betina Fresneda. 

Pobres têm mais acesso a universidades

Por outro lado, na década, apesar das dificuldades de acesso, as ações afirmativas ou políticas públicas como o Programa Universidade para Todos (Prouni) – de bolsas em universidades privadas – sinalizam uma “tendência de democratização” do ensino superior, segundo o relatório. O percentual de alunos pobres nas universidades públicas passou de 6,2% para 8,3%, enquanto nas pagas subiu de 0,8% para 4%.

“Essas políticas vão desde o aumento de reservas de vagas nas instituições públicas direcionadas aos alunos de diferentes perfis (pessoas com deficiência, procedentes de escola pública, com baixa renda familiar, etnias específicas etc.) até o aumento do financiamento estudantil reembolsável ou não reembolsável disponível aos alunos”, destaca o documento do IBGE.

Veja Também  Pesquisa revela crescimento de 74% dos alunos de pós-graduação no país

Além de políticas públicas para incentivar jovens a frequentar universidades, o IBGE destaca como incentivadores deste aumento os programas de aceleração escolar, que corrigem a defasagem idade-ano de alunos repetentes, e a condição econômica das famílias, que permitiram aos jovens estudar, em vez de se dedicarem só ao trabalho.

No período, a escolaridade média do brasileiro com 25 anos ou mais também subiu para 7,9 anos, o que ainda não corresponde ao ensino fundamental completo. A defasagem em relação a outros países, como o Chile, onde a população alcançou 7,3 anos de escolaridade em 1985, mostra, segundo o IBGE, que “o déficit educacional brasileiro é histórico e que sua alteração é necessariamente lenta”.

Já a taxa de analfabetismo entre as pessoas com 15 anos ou mais caiu de 11,1% para 8%. Entre os brasileiros com mais de 65 anos, um em cada quatro não sabem ler nem escrever – mas este indicador também apresentou diminuição.

Educação infantil

Com a obrigatoriedade de crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos frequentarem a escola, a partir de 2013, os indicadores sobre educação infantil também melhoraram. O número de crianças entre 4 a 5 anos na escola subiu 30%, de 13% para 25% aos 4 anos e de 62,8% para 84,3% aos 5 anos.

Segundo a pesquisa, a escolarização mais precoce de crianças permite que elas estejam mais preparadas para o ensino fundamental e cumpre meta da Organização das Nações Unidas (ONU), que aprovou a universalização da educação para crianças entre 4 e 5 anos.


Comentários Facebook

Educação

Rio de Janeiro recebe Fórum Mundial de Educação Não Formal

Avatar

Publicado

Começou hoje (9) e vai até quarta-feira (11) o Fórum Mundial de Educação Não Formal, no Museu do Amanhã, na Praça Mauá, região central do Rio de Janeiro. Mais de 30 organizações internacionais da sociedade civil discutirão os desafios e o papel do modelo não formal na agenda da educação em todo o mundo.

O evento é uma iniciativa da Organização Mundial do Movimento Escoteiro em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), o Escritório do Enviado da Juventude do Secretário-Geral da ONU e os Escoteiros do Brasil.

Segundo os organizadores, o fórum tem como objetivo discutir como as organizações podem acompanhar as últimas tendências da educação não formal que utiliza o aprendizado prático e experiências educacionais que desenvolvem habilidades para a vida.

De acordo com a representante do Unicef no Brasil, Florence Bauer, ainda há 250 milhões de crianças e adolescentes fora da escola no mundo. No Brasil, são 2 milhões. A representante do Unicef acrescenta que cerca de 260 milhões de jovens no mundo não trabalham nem estudam.

Veja Também  Jovens que cumprem medida socioeducativa veem no Enem chance de mudar

Para Florence, a prioridade é melhorar o sistema formal de ensino, mas para responder aos desafios do mundo contemporâneo, ela avalia que a educação não formal pode complementar o currículo tradicional. “Os jovens precisam ter acesso a uma educação cada vez mais diversificada, adquirir novas competências e responder às expectativas do mercado de trabalho”.

O presidente dos Escoteiros do Brasil, Rafael Macedo, lembrou que o movimento escoteiro promove iniciativas de educação que complementam o que é ensinado em sala de aula há mais de 100 anos no Brasil. “Desde criança, [os escoteiros] aprendem a trabalhar em equipe, a desenvolver liderança, a ter senso de responsabilidade. Essa educação acontece de forma complementar à experiência da escola, ao ensino que a família proporciona à criança”, disse.

Edição: Lílian Beraldo
Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Continue lendo

Educação

Projeto Astronomia sobre Rodas leva ciência a estudantes do DF

Avatar

Publicado

Uma van com galáxias, planetas e estrelas roda pelas ruas do Distrito Federal para levar a ciência e o conhecimento a estudantes de todas as idades. É o projeto Astronomia sobre Rodas, idealizado pelo professor de Física Demetrius Leão e colocado em prática, há quase dois anos, pelo Sesc de Taguatinga Norte, região administrativa da capital federal.

A van é o carro utilizado para transportar uma cúpula inflável e o planetário digital até escolas da região central do DF e cidades do Entorno.

Astronomia sobre Rodas

Planetário inflável é transportado a escolas do Distrito Federal – Divulgação

Desde que o projeto começou a ser implementado, já foram mais de mil sessões e 40 mil pessoas contempladas, a maioria estudantes da rede pública. Demetrius Leão, coordenador pedagógico do projeto, disse que a ideia nasceu de um projeto itinerante pelo país e que teve boa aceitação no Distrito Federal.

“Primeiro, pensou-se no planetário. A estrutura, quando está guardada, cabe em uma van, que foi adaptada, com a retirada de alguns bancos”, explicou o professor.

Na van, são colocados os ventiladores, o domo e a parte projetiva, que é um datashow específico para fazer uma projeção 360 graus. Demétrius Leão disse que “o planetário itinerante é uma cúpula onde são projetadas as sessões com temas variados sobre o universo”.

Segundo o professor, quando a van chega às escolas é recebida com muita expectativa, principalmente porquê muitas crianças não sabem ainda o que é um planetário. “É sempre uma alegria quando você infla aquela bolha azul, sempre gera uma grande expectativa”, disse.

A falta de conhecimento sobre planetários faz com que as crianças pensem que a bolha azul da van é um pula-pula. “É muito comum isso acontecer. Mas, quando você fala que vai fazer uma viagem pelo espaço, dentro da cúpula, por meio da projeção que é feita, gera uma euforia grande nas crianças.”

Segundo o professor, devido a alta demanda por escolas classes, com público de 1º ao 5º ano, o sistema solar tem um espaço diferenciado nas apresentações. O projeto, que atende a escolas inscritas em um cadastro, prioriza aquelas localizadas em áreas carentes do Distrito Federal.

Demetrius Leão disse que o Astronomia sobre Rodas, além de levar a ciência às escolas, tem apresentado um espaço democrático, estimulando a imaginação e levando cidadania a comunidades vulneráveis. “No nosso planetário priorizamos um público de escolas públicas e de regiões que realmente têm dificuldade de acesso a esse conhecimento científico. Acredito que desperta uma curiosidade e um interesse muito grande, porque as questões sobre o céu mexem com o imaginário de muitas pessoas.”

No seu entendimento, a “questão da passagem do planetário do Astronomia Sobre Rodas pode encantar pessoas que não teriam acesso a um planetário, e trata-se de uma chance de pensar sobre a existência do planeta, do universo, da vida.”

As escolas interessadas em fazer parte do projeto, em 2020, podem fazer a inscrição no endereço mestra.me/asr. A principal condição é ter um espaço coberto, como uma quadra ou um ginásio.

Edição: Fernando Fraga
Fonte: EBC Educação
Comentários Facebook
Veja Também  Adesão a programa de ensino médio integral ficam mais flexível
Continue lendo

Destaques

Policial

Política MT

Mato Grosso

Mais Lidas da Semana