conecte-se conosco


Economia

Produção industrial volta a cair em setembro, com quase um terço de ociosidade

Publicado

Economia

Brasil Econômico

Dados de setembro mostram que quase um terço do parque industrial ficou ocioso no período
Arquivo/Agência Brasil

Dados de setembro mostram que quase um terço do parque industrial ficou ocioso no período

A indústria brasileira enfrenta dificuldades para retomar a atividade e, segundo a pesquisa de Sondagem Industrial de setembro realizada pela Confederação Nacional da Indústria revelada nesta sexta-feira (21), a produção do setor voltou a cair e alcançou 45,8 pontos.

+ Prévia da inflação tem menor taxa para outubro desde 2009

Além disso, o índice de evolução do número de empregados ficou estável em 46,5 pontos, de acordo com os dados da CNI. Os indicadores a pesquisa variam de zero a cem. Quando estão abaixo de 50 indicam queda na produção e no emprego.

Ainda de acordo com a CNI, com os dados encontrados no mês de setembro, podemos concluir que quase um terço do parque industrial ficou ocioso no período. O indicador de nível de utilização da capacidade instalada permaneceu em 66%, o mesmo registrado em setembro de 2015, e um dos mais baixos da série histórica mensal que começou em janeiro de 2011.

O índice de estoque efetivo em relação ao planejado ficou em 49,6 pontos em setembro. O indicador varia de zero a cem e quando está próximo dos 50 pontos mostra que os estoques efetivos estão de acordo com o planejado pelas empresas.

Desaceleração de preços

Apesar dos dados negativos, a pesquisa mostrou que diminuiu a insatisfação dos empresários com a situação financeira e a margem de lucro das empresas. Segundo o documento da CNI, após atingirem seus mínimos históricos no primeiro trimestre, os índices de satisfação com a margem de lucro e com a situação financeira aumentaram pelo segundo trimestre consecutivo.  

O indicador de situação financeira foi de 41,5 pontos e o de margem de lucro operacional alcançou 36,4 pontos no terceiro trimestre. Ambos, todavia, continuam abaixo da linha divisória dos 50 pontos que separa a satisfação da insatisfação.

Outro dado importante da Sondagem Industrial, o índice de evolução dos preços de matérias-primas recuou para 59,3 pontos no terceiro trimestre, o que significa o quarto recuo consecutivo do indicador, ou seja, o ritmo de crescimento dos preços vem se desacelerando desde o quarto trimestre de 2015. No período, o índice acumula recuo de 9,9 pontos.

Segundo a pesquisa, os estoques ajustados e a melhora dos indicadores da situação financeira, mesmo que pequena, são muito importantes para as empresas, uma vez que aumentam as possibilidades de recuperação da indústria no futuro.

Problemas e expectativas

A Sondagem Industrial também aponta os principais obstáculos enfrentados pelas empresas no terceiro trimestre. Segundo a pesquisa, a carga tributária elevada, que foi citada em 43,7% das respostas, ficou em primeiro lugar como empecilho para o crescimento da produção industrial.

Em seguida, com 41,8% das menções, foi a demanda interna insuficiente e, em terceiro lugar, com 27,9% das assinalações, os empresários citaram a taxa de juros elevadas como obstáculo para a melhora dos números.

+ Pesquisa indica que produção industrial e empregos têm queda

As expectativas dos empresários para o mês de outubro ? e para os próximos seis meses ? são menos otimistas do que foram para o mês de setembro. O índice de expectativa de demanda caiu 2,6 pontos em relação a setembro e ficou em 52,3 pontos.

Ademais, o indicador de expectativa de compras de insumos e matérias-primas caiu para 49,7 pontos e o de exportações recuou para 50,8 pontos. “Não há mais expectativa de aumento de compras de matérias-primas ou de aumento da quantidade exportada”, apontou o levantamento.

Empregos na indústria

O indicador de expectativa de evolução do número de empregados também caiu para 46 pontos, o que significa que os empresários não pretendem contratar nos próximos seis meses. Os indicadores de expectativa variam de zero a cem pontos. Abaixo que 50 mostram que as perspectivas são de queda.

+ O que a suspensão da fábrica da Chery diz sobre o setor automotivo no País?

Assim, com perspectivas pessimistas e a queda da produção consecutiva, a disposição dos empresários para investir continua baixa. O índice de intenção de investimento ficou em 43,5 pontos em outubro. Embora esteja 4,2 pontos abaixo da média histórica, o indicador não apresenta queda há seis meses consecutivos e está 2,8 pontos acima dos 40,7 pontos registrados em outubro do ano passado. A Sondagem Industrial foi feita entre 4 e 14 de outubro com 2.457 empresas. Dessas, 1.011 são pequenas, 886 são médias e 560 são de grande porte.

Comentários Facebook

Economia

Dívida pública aumenta 3,07% em junho e chega a R$ 5,33 trilhões

Publicado


source
Dívida pública aumenta 3,07% em junho, chegando a quase R$ 5,5 trilhões
Fernanda Capelli

Dívida pública aumenta 3,07% em junho, chegando a quase R$ 5,5 trilhões

Na última quarta-feira (28) a Secretaria do Tesouro Nacional informou que a dívida pública do Brasil, que inclui os débitos do governo no Brasil e no exterior, aumentou em 3,07% no mês de junho. Portanto, atualmente a dívida está avaliada em R$ 5,33 trilhões.

O débito público é emitido pelo Tesouro Nacional com o objetivo de financiar o déficit orçamentário do governo federal. Dessa forma, a dívida se apresenta como um empréstimo, feita para pagar despesas que excedem a arrecadação do país com impostos e tributos.

Problemas com o orçamento

Junto com a atualização da dívida pública, a equipe econômica tenta buscar soluções para o déficit financeiro de 2022 , avaliado em R$ 170,5 bilhões.

De acordo com a equipe econômica, o objetivo é reduzir esse orçamento entre R$ 60 bilhões e R$ 70 bilhões, com melhorias na arrecadação tributária e um freio no ímpeto do Congresso de ampliar o rol de bondades para evitar a perda de receita.

Leia a matéria completa no  site do 1Bilhão.

Comentários Facebook
Continue lendo

Economia

Google amplia programa de estágio para pessoas negras; veja como se inscrever

Publicado


source
Google expande programa de estágio Next Step
Pedro Knoth

Google expande programa de estágio Next Step

O Google anuncia a abertura das inscrições para a 2ª edição do Next Step, programa de estágio que busca aumentar a representatividade de pessoas negras entre os talentos da companhia. Lançado em 2019, o programa foi ampliado: agora, além de buscar por talentos na Grande São Paulo, também selecionará estagiários para atuar no Centro de Engenharia do Google em Belo Horizonte.

Neste ano, as vagas serão divididas nas áreas de Negócios e Engenharia de Software. A área de Negócios selecionará estagiários para atuarem no escritório da empresa em São Paulo e irá incluir diversas equipes, incluindo vendas, marketing, suporte e soluções para clientes, finanças, jurídico, entre outras. O estagiário será alocado em uma equipe, mas poderá participar de projetos envolvendo outras áreas ao longo do programa. Poderão se inscrever estudantes de graduação de qualquer área, contanto que tenham formação prevista entre março de 2024 e junho de 2024. Assim como na primeira edição do programa, não será exigido conhecimento de inglês e, como parte do programa, os estagiários receberão aulas do idioma custeadas pela empresa.

Já as vagas do programa de Engenharia de Software serão oferecidas no escritório do Google em Belo Horizonte. Neste caso, serão considerados estudantes matriculados em cursos de graduação relacionados às áreas de tecnologia, como Ciência da Computação, Engenharia da Computação, entre outros, com previsão de término para o período entre março de 2024 e junho de 2024. Para participar, é preciso ter noções básicas de alguma linguagem de programação, como: C, C ++, Java, JavaScript ou Python, assim como inglês básico para programar.

Os estudantes precisam ter disponibilidade para residir nas cidades onde estão localizados os escritórios do Google: São Paulo, para as vagas de Negócios, e Belo Horizonte, para as de Engenharia de Software.

Aumento da representatividade

O Next Step, com outros programas de estágio no Google, busca apoiar estudantes em seu desenvolvimento profissional, com possibilidade de efetivação após o encerramento do estágio. Para tanto, o Google Brasil tomou uma importante iniciativa para estimular o aumento da representatividade desses talentos na companhia: o programa não exige inglês fluente como pré-requisito.

Você viu?

“Investir em equidade racial no mercado de trabalho é urgente e deve ser responsabilidade de todas as organizações. O Next Step é uma das iniciativas que fazem parte do comprometimento global do Google em aumentar a representatividade de grupos historicamente sub-representados na nossa força de trabalho e criar um senso de pertencimento para todos”, destaca Flávia Garcia, head de Diversidade, Equidade e Igualdade do Google para América Latina e Canadá.

A gerente do Programa de Estágio, Lia Romano, conta que a experiência bem sucedida da primeira turma mostra que o programa vem conseguindo atingir o seu objetivo. “O Next Step surgiu como um projeto-piloto do Google Brasil, criado com o objetivo de refletir melhor a rica diversidade do país na força de trabalho da empresa. Dois anos depois, estamos felizes em anunciar a continuidade do programa com o lançamento da segunda turma em São Paulo e as novas vagas em Belo Horizonte”, afirma Lia.

O projeto também conta com o apoio irrestrito de Fabio Coelho, presidente do Google Brasil. “Queremos que o Google seja um lugar onde pessoas com diferentes pontos de vista, origens e experiências, possam prosperar. Temos ouvido relatos encorajadores dos estagiários da primeira turma do programa. A maioria deles foi efetivada após o fim do estágio, sinal que nos mostra que estamos avançando na direção correta”, diz Coelho.

Berthier Ribeiro-Neto, diretor do Centro de Engenharia do Google na América Latina, considera a inclusão das vagas de Engenharia de Software no programa um passo importante para derrubar barreiras de acesso ao mercado de tecnologia. “Sabemos que há uma sub-representação histórica de pessoas negras na área de Engenharia de Software e queremos que essa realidade mude. Por isso, também vamos contar no nosso Centro de Engenharia em Belo Horizonte com uma estrutura que ofereça as ferramentas necessárias para que os estagiários se desenvolvam e consigam construir e gerenciar suas carreiras no mercado de tecnologia”, diz o executivo. “Acreditamos que promover a representação racial é também o caminho que nos levará a criar produtos melhores e mais diversos”, completa.

Veja como funcionará o processo seletivo do Next Step 2021

Na primeira etapa, será feita uma seleção de perfil com base nos pré-requisitos do programa. Em seguida, os candidatos serão convidados para eventos informativos e focados em desenvolvimento, que, nesta edição, acontecerá virtualmente devido às restrições causadas pela pandemia. Nesta etapa, os estudantes serão apresentados à Cultura Google, conhecerão o dia a dia da empresa e terão mais detalhes sobre os atributos avaliados durante as entrevistas. Os candidatos selecionados após a revisão do formulário e currículo também poderão passar por uma simulação de entrevista com colaboradores do Google com o objetivo de prepará-los para a etapa final de entrevistas com as equipes.

Para as vagas de Negócios, na sede da capital paulista, as inscrições já estão abertas por meio da consultoria externa Empodera e devem ser feitas até dia 30 de agosto ( inscrições neste link ). Em Belo Horizonte, para as vagas de Engenharia de Software, a abertura do processo está prevista para o início de setembro, através da plataforma Olabi . Mais informações no post sobre o programa no blog do Google Brasil .

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política

Mato Grosso