Sócios fundam F11 Investimentos por autonomia na assessoria de investimentos


F11 Investimentos é resultado da busca dos sócios por mais independência e autonomia para oferecer as opções adequadas para seus clientes
shutterstock

F11 Investimentos é resultado da busca dos sócios por mais independência e autonomia para oferecer as opções adequadas para seus clientes

Autonomia, segurança e acompanhamento personalizado. Quando se trata de investimentos financeiros e assessoria na gestão de patrimônios, há poucas coisas mais requisitadas do que esses três elementos por parte dos investidores e é exatamente isso que a F11 Investimentos oferece para uma ampla cartela de clientes adquirida desde a fundação, em 2009, pelos sócios Rodrigo Teixeira da Costa e Marcio Fucs.

Leia também: Amigos investem herança para abrir empresa de suplementos e faturam R$ 250 mi

Assessores de investimentos com longa carreira, eles entendem o mercado financeiro como poucos e depois de passarem boa parte da vida profissional trabalhando para bancos internacionais foram amadurecendo a ideia de fundar a própria empresa para superar obstáculos que eles enxergavam no caminho dos verdadeiros melhores investimentos. Daí surgiu a
F11 Investimentos
.

Enquanto Marcio Fucs é graduado em administração pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Rodrigo Teixeira da Costa, formado em economia pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) e com MBA em Finanças pelo atual Ibmec, escola pioneira em MBA em finanças no Brasil, e é ele quem nos conta a trajetória da empresa.

“Eu e Marcio trabalhávamos na Wachovia Securities Brasil, representação da corretora do Banco Wachovia, quando eles resolveram encerrar as atividades no Brasil e nos ofereceram uma mudança de país, o que acabou sendo o gatilho que eu e o Marcio precisávamos para tirar do papel a ideia de ter a nossa própria empresa. Então surgiu, em 2009, a F11 Investimentos”, relata Rodrigo.

Daí em diante, os sócios fundadores colocaram toda sua experiência e conhecimento do mercado financeiro à disposição da empresa que, agora, era deles mesmos para fazer a captação de clientes, a assessoria de investimentos e o acompanhamento individualizado de cada um deles. Assim, a F11 cresceu rápido e consistentemente como espera fazer com o patrimônio de seus clientes.

F11 Investimentos: método independente e individualizado


Rodrigo Costa, um dos sócios fundadores da F11 Investimentos, explica os métodos de trabalho que garantem autonomia, independência, agilidade e segurança aos clientes
Reprodução/Arquivo pessoal

Rodrigo Costa, um dos sócios fundadores da F11 Investimentos, explica os métodos de trabalho que garantem autonomia, independência, agilidade e segurança aos clientes

Para conseguir fazer isso, a empresa oferece um serviço individualizado. Rodrigo nos explica que após o primeiro contato com o novo cliente, a F11 traça um perfil do investidor e monta uma carteira de investimentos personalizada para ele. E o sócio nos garante que cada cliente tem a sua própria carteira, nada de pacotes pré-moldados.

“Como o mercado é muito dinâmico, nós nem teríamos como sugerir a mesma coisa para todos os nossos clientes. Nós analisamos cada caso e sugerimos o melhor para cada um de acordo com seu perfil, com autonomia e independência”, explica Rodrigo que, garante, “a palavra final, é claro, é sempre do cliente.”

E identificar qual o perfil do novo cliente é realmente uma prioridade da F11, por isso a empresa procura saber mais do que números frios como a idade do investidor, o valor que está disposto a aplicar e o prazo de retorno. O sócio fundador descreve que “precisamos levar em consideração o perfil de risco do cliente: ele tem filhos? Estão saindo da faculdade ou entrando na escola? Ele vive de aluguel ou tem vários imóveis? Esse é todo o patrimônio que ele têm ou há mais valores disponíveis ou aplicados? Só assim podemos saber o que realmente oferecer para que ele tenha mais segurança e atinja seus objetivos.”

Leia também: Empreendedor deixa o Direito, investe em educação e prevê lucro de R$ 12 milhões

Uma vez traçado o perfil, a F11 usa a plataforma da XP Investimentos para oferecer uma vasta cartela de opções à disposição para compor a carteira de investimentos que será sugerida ao cliente. Rodrigo explica que, por ser autônoma, a F11 precisa estar credenciada a uma corretora e escolheram a XP porque as opções são tantas (vão desde títulos de renda fixa como CBD e CDI até compra e venda de ações de maior risco) e tão dinâmicas que, na prática, isso nunca foi um problema. Diferentemente do que pode acontecer quando um investidor resolve fazer suas aplicações através de instituições financeiras mais tradicionais como os bancos tão conhecidos por aí que limitam as opções àquelas que são de sua propriedade.

Além disso, a XP oferece à F11 condições muito boas de rentabilidade. Rodrigo explica que “o mesmo valor que o cliente pagaria para fazer o investimento direto num fundo é o que ele vai gastar conosco mesmo ganhando um acompanhamento personalizado e em tempo real”. Isso porque parte das taxas de administração cobradas pelos próprios fundos são repassadas para distribuidoras como a XP e, por consequência, a F11. E Rodrigo garante, os valores dos contratos negociados pela XP são bem vantajosos e difíceis de serem batidos.

Captado o cliente e alocado os recursos, resta fazer o acompanhamento. E aí está um dos maiores diferenciais e, ao mesmo tempo, um dos maiores desafios para o agente autônomo. É claro que, por ser independente, a F11 nem poderia querer concorrer com os grandes players do mercado, por isso mesmo a empresa tem uma política de investimentos altos, acima dos R$ 300 mil, para ser capaz de oferecer seus serviços exclusivos aos clientes.

Dessa forma, a empresa que estima operar cerca de R$ 500 milhões em patrimônios, com contas que vão dos citados R$ 300 mil até R$ 9 milhões, tem uma conta média acima de R$ 500 mil por cliente e faz um acompanhamento diário dessas operações, para não dizer, em tempo real.

Além disso, nem um centavo dos clientes é operado sem autorização expressa e oficial dos mesmos, um protocolo de segurança meticuloso exigido pela XP que cobra multas pesadas caso isso não seja respeitado e que, admite Rodrigo, pode até atrapalhar movimentações dentro da dinâmica ágil do mercado, mas que oferece a segurança para o cliente de que seu dinheiro não será manipulado sem a sua autorização.

Leia também: Empresária supera infância pobre e fatura R$ 90 milhões com Spa das Sobrancelhas

Com isso, a
F11 Investimentos
 espera conquistar um espaço cada vez maior no mercado financeiro sempre oferecendo a autonomia, a segurança e o acompanhamento personalizado que serviram de pilares para a fundação da empresa lá no começo.

Comentários Facebook