Estimativa para a inflação de 2018 chega a 4,3% em semana de eleições


Estimativa para a inflação de 2018 sobe pela terceira semana consecutiva e chega a 4,3%, se aproximando do centro da meta traçada pelo governo federal
shutterstock

Estimativa para a inflação de 2018 sobe pela terceira semana consecutiva e chega a 4,3%, se aproximando do centro da meta traçada pelo governo federal

A estimativa de instituições financeiras para a inflação deste ano subiu pela terceira vez consecutiva de acordo com a pesquisa do Banco Central (BC), divulgado nesta segunda-feira (1º) pelo Boletim Focus. Segundo ele, a estimativa para a inflação do mercado é de 4,3%. Na semana passada, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA,  a inflação oficial do País) estava em 4,28%.

Leia também: Banco Central reduz previsão de crescimento do PIB em 2018 de 1,6% para 1,4%

Dessa forma, a estimativa para a inflação de 2018 por parte do mercado financeiro ficou mais perto do centro da meta deste ano traçado pelo governo que é de 4,5%. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%.

Já para 2019, o Boletim Focus divulgou que a projeção da inflação também subiu. Passou de 4,18% na semana passada para 4,20% nessa semana, o que também representou o segundo aumento consecutivo para o IPCA de 2019 e também se aproximou da meta do atual governo para a inflação do ano que vem é de 4,25%.

Enquanto isso, para 2020, a estimativa do mercado divulgada pelo Banco Central seguiu de 4% e, para 2021, em 3,97%. Elas estão exatamente no centro da meta do governo e um pouco acima já que a expectativa do governo é de 4% e 3,75%, para 2020 e 2021, respectivamente. Todas elas, no entanto, estão dentro do intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Estimativa para inflação depende da taxa básica de juros


Estimativa para a inflação de 2018 se aproxima da meta, mas aposta em manutenção da Selic em 6,5% até o fim do ano
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Estimativa para a inflação de 2018 se aproxima da meta, mas aposta em manutenção da Selic em 6,5% até o fim do ano

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como instrumento a taxa básica de juros (Selic), atualmente mantida em 6,5% ao ano pela terceira vez consecutiva após reunião do Comitê de Política Monterária (Copom) há duas semanas.

Apesar do Comitê ter sinalizado que poderá fazer um reajuste de 0,25 ponto percentual na próxima reunião (elas são realizas a cada 45 dias), o mercado, por sua vez, espera que a Selic permaneça em 6,5% até o fim de 2018.

Leia também: Selic aumentará se expectativas para a inflação piorarem, diz presidente do BC

Para 2019, aí sim, a expectativa do mercado é de aumento da taxa básica de juros, terminado o período em 8% ao ano. Enquanto para o fim de 2020, o mercado projeta juros de 8,19% ao ano voltando pra 8% ao ano no final de 2021.

Vale dizer que quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

A manutenção da taxa básica de juros, como prevê o mercado financeiro este ano, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação.

Crescimento econômico e cotação da moeda


Além da estimativa para a inflação de 2018, Boletim Focus também mediu previsão do PIB e da cotação do dólar frente ao real do mercado financeiro
iStock

Além da estimativa para a inflação de 2018, Boletim Focus também mediu previsão do PIB e da cotação do dólar frente ao real do mercado financeiro

O Boletim Focus dessa semana divulgou ainda outras duas expectativas para indicadores da economia nacional. A primeira, em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzido no País, se manteve o mesmo da semana passada em 1,35% este ano e 2,5% nos próximos três anos.

Leia também: Déficit das contas públicas sobe 77,1% em agosto em relação a 2017

Já a última expectativa analisada diz respeito à cotação do dólar que, por sua vez, foi reajustada de R$ 3,90 para R$ 3,89 no fim deste ano, e de R$ 3,80 para R$ 3,83 ao término de 2019, o que se reflete, é claro, na estimativa para inflação dos respectivos períodos.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook